© 2019 Todos os Direitos reservados ao Jornal do Vidro. Produzido por Agência GUIAX

1/2

PUBLICIDADE

Você já imaginou um painel solar que come sujeira?

                                                                                                               Imagem: King Window Cleaning

 

Sim, isso que você leu não é brincadeira! A empresa americana Swift Coat, recebeu uma doação de US $ 1 milhão do Escritório de Tecnologias de Energia Solar do Departamento de Energia dos EUA, para desenvolver um revestimento de vidro solar que combina propriedades anti-refletivas com dióxido de titânio fotocatalítico, que tem a ação de decompor materiais orgânicos em módulos solares, aumentando a geração de energia em 3% em relação aos painéis solares padrões.

 

Resumindo: o revestimento irá desviar a sujeira e quebrar os compostos orgânicos. O grupo americano pretende aproveitar mais de uma década de experiência na indústria de vidro arquitetônico usando essas tecnologias e ter modelos em funcionamento em até 18 meses.

 

O vidro terá dois revestimentos: o primeiro será o antirreflexo, que já existe em todos os módulos de vidros solares padrões, e o segundo revestimento será de titânia fotocatalítica (dióxido de titânio), que tem a funcão de decompor os solos e manter a superfície hidrofílica (solúvel em água). O co-fundador da empresa, Zachary Holman, falou sobre o projeto:

 

“Os revestimentos contendo titânia foram usados ​​para autolimpeza - com 15 anos de dados de campo - no mercado de janelas residenciais, mas esses revestimentos têm uma refletância muito alta para serem considerados no vidro do módulo fotovoltaico. A inovação da Swift Coat é um revestimento com alta atividade fotocatalítica e alta transmitância, além da durabilidade necessária para a vida útil do módulo. ”

 

Quando o material revestido de titânia absorve a luz UV, ocorre uma reação química que decompõe os solos orgânicos e, à medida que eles são decompostos, são liberados inorgânicos, como sujeira, que costumam ser ligados a superfícies como o vidro do módulo. Por último, os revestimentos aplicados tornam a superfície do módulo solúvel a água, para que a chuva enxágue a sujeira.

 

A empresa ainda não divulgou informações sobre o preço da nova tecnologia, mas revelou que os custos serão semelhantes aos materiais e processos padrões de revestimento anti-reflexo. A expectativa de lançamento da Swift é fazer o lançamento do produto até o final de 2021. E você, vidraceiro e serralheiro, ficou empolgado para o lançamento dessa nova tecnologia do mundo alumínio-vidreiro?

seção:

Please reload

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ECG..png
ECG..png

PUBLICIDADE

METTALLFLECK..png
METTALLFLECK..png

PUBLICIDADE

Sem título-2.png

PUBLICIDADE

BOLT INOX..png
BOLT INOX..png

PUBLICIDADE

KING..png

PUBLICIDADE

NETOCOLOR.jpg

PUBLICIDADE

ANTALUM..png

PUBLICIDADE

union.png

PUBLICIDADE

INOX PAR.png

Você também pode gostar de ler sobre:

Você conhece o Vidro Low-e?

13/01/2020

Ascevi intermédia palestra na I Semana das Engenharias em Palhoça SC para 60 estudantes de Arquitetu...

12/09/2017

Empresas italianas mostram novidades da indústria vidreira durante a Glass South America

08/06/2016

Saiba por que você não pode perder a GLASS SOUTH AMERICA

03/06/2016

USP São Carlos desenvolve vidro que muda de cor e pode camuflar objetos

01/06/2016

Níveis de blindagem automotiva

25/05/2016

Governo sinaliza irregularidade em exportações de vidros automotivos

13/05/2016

Vidro Serigrafado: Instrumento elementar ou primordial?

11/05/2016

1/1
Please reload