© 2019 Todos os Direitos reservados ao Jornal do Vidro. Produzido por Agência GUIAX

1/2

PUBLICIDADE

Padronização do selo térmico de esquadrias

                                                         Imagem: Departamento de Arte Jornal do Vidro

 

O intuito do selo térmico de esquadrias é padronizar os processos a fim de alcançar mais conforto, mas essa norma ainda é flexível para que os fabricantes determinem o nível de desempenho dos produtos. A NBR 10821 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), regente da cadeia produtiva de esquadrias de alumínio, pvc e aço incluiu o selo na revisão da Norma.

 

A criação das normas para padronizar os processos e garantir a segurança e qualidade dos produtos se tornou indispensável visto que o desenvolvimento de novas tecnologias no mercado vidreiro está cada vez mais forte. A Etiqueta de Conforto Térmico de Esquadrias foi desenvolvido para propiciar uma forma de avaliar o desempenho dos produtos a partir do seu desempenho térmico em um cômodo interno de uma residência ou edifício.

 

“O selo foi incluído na revisão da NBR 10821 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que rege a cadeia produtiva de esquadrias de alumínio, PVC e aço, e, como o próprio nome sugere, tem como intuito estabelecer parâmetros para o desempenho térmico de esquadrias, explica a especificadora técnica da PKO do Brasil”, Rebeca Andrade.

 

                                                                         Imagem: Departamento de Arte Jornal do Vidro

 

Fernando Simon Westiphal, engenheiro da Cebrace e membro da comissão de revisão da norma ressaltou que se trata de uma tendência internacional e que é um dos motivos para o setor de esquadrias se mobilizar para o desenvolvimento da metodologia: “é a carência desse tipo de avaliação por outras entidades. A etiquetagem de eficiência energética de edificações, por exemplo, do Procel/ Inmetro, não leva em conta as características do perfil da esquadria, ou mesmo do tipo de vidro utilizado” destacou ele.

 

Sobre ser voluntário o uso da etiqueta por cada fabricante para determinar o nível de desempenho, Fernando explica: “São equações simples, que podem ser aplicadas manualmente ou por planilhas eletrônicas, com base nas propriedades térmicas dos perfis e vidros utilizados nas esquadrias e levando em consideração dados como transmitância térmica, fator solar e transmissão luminosa”.

 

Solicitação do selo térmico

 

Cada fabricante de esquadria pode solicitar e aplicar o selo em seus próprios produtos sem a necessidade de uma verificação por terceiros, tanto que esteja dentro dos parâmetros da norma. É preciso especificar as propriedades térmicas do produto e aplicar os cálculos da norma.

 

Os cálculos são feitos através do grau de conforto térmico proporcionado pela esquadria depois de instalada num cômodo comum em diferentes lugares com climas diferenciados.

seção:

Please reload

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ECG..png
ECG..png

PUBLICIDADE

METTALLFLECK..png
METTALLFLECK..png

PUBLICIDADE

Sem título-2.png

PUBLICIDADE

BOLT INOX..png
BOLT INOX..png

PUBLICIDADE

KING..png

PUBLICIDADE

NETOCOLOR.jpg

PUBLICIDADE

ANTALUM..png

PUBLICIDADE

union.png

PUBLICIDADE

INOX PAR.png

Você também pode gostar de ler sobre:

Você conhece o Vidro Low-e?

13/01/2020

Ascevi intermédia palestra na I Semana das Engenharias em Palhoça SC para 60 estudantes de Arquitetu...

12/09/2017

Empresas italianas mostram novidades da indústria vidreira durante a Glass South America

08/06/2016

Saiba por que você não pode perder a GLASS SOUTH AMERICA

03/06/2016

USP São Carlos desenvolve vidro que muda de cor e pode camuflar objetos

01/06/2016

Níveis de blindagem automotiva

25/05/2016

Governo sinaliza irregularidade em exportações de vidros automotivos

13/05/2016

Vidro Serigrafado: Instrumento elementar ou primordial?

11/05/2016

1/1
Please reload