© 2019 Todos os Direitos reservados ao Jornal do Vidro. Produzido por Agência GUIAX

1/2

PUBLICIDADE

Você sabe como definir para o seu cliente a pele de vidro?

Pele de vidro, também conhecida como fachada, é uma estrutura metálica
revestida com vidro, podendo ser transparente, fumê ou espelhado. A parte
metálica fica escondida, dando sustentação a peça.

 

                                                                                   Imagem: Arquivo Jornal do Vidro

Vantagens


Economia de energia: Esse é o ponto positivo mais importante, pois as
paredes não bloqueiam a entrada da luz, dispensando o uso de luz artificial
durante o dia.


Conforto térmico: A escolha do vidro ideal é muito importante, e nesse caso o vidro refletivo é perfeito, pois dispersam o calor, podendo até mesmo reduzir o uso do ar condicionado.


Não exige o uso de cortinas: Quando se trata de grandes paredes de vidro,
se imagina que a entrada de luz é bastante grande, mas no caso do vidro fumê e refletivo, a entrada da luminosidade é mais controlada, dispensando a
necessidade do uso de cortinas.


Ótima estética: A visualização final do vidro dá um ar moderno ao local,
dispensando o uso de pinturas e revestimentos.


Isolamento acústico: Método bastante comum em empresas e grandes
centros comerciais, pois a pele de vidro possui a grande vantagem de reduzir
barulhos externos.


Desvantagens


Custo: Esse é o ponto que vai em oposição a todos as vantagens, pois sua
produção e instalação no Brasil é bastante reduzida, dificultando o encontro
desse material.


Limpeza: A manutenção da pele de vidro não é complicada, mas a limpeza do vidro pode ser um ponto mais difícil em edifícios mais altos.


Poucos profissionais especializados: Como o produto não é de fácil acesso
no Brasil, é mais difícil de achar profissionais especializados na sua instalação.


Modelos de pele de vidro


Além da variação dos vidros de acordo com as cores, nível refletivo e
espessura, a pele de vidro é classificada de acordo com o tipo de instalação.


Stick/Grid: O processo desse modelo é feito no canteiro de obras. Por ser a base da montagem, a estrutura de alumínio é a primeira a ser
instalada, em seguida é feita a colagem e a fixação dos vidros sobre a
estrutura.

 

Unitizado: ao contrário da primeira opção, a montagem é feita totalmente na
fábrica, onde os vidros são fixados nas estruturas e levados para a obra. Para
esse processo, é necessárias ferramentas e até mesmo guindastes, para a
elevação das peças em edifícios muito altos.


Híbrido: Esse modelo é a mescla dos dois sistemas anteriores, pois cada parte da obra é especificamente em cada tipo, a colagem do vidro pode ser feita na obra ou na fábrica.

Please reload

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ECG..png
ECG..png

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Sem título-2.png

PUBLICIDADE

BOLT INOX..png
BOLT INOX..png

PUBLICIDADE

carreta do vidraceiro - jornal do vidro.

PUBLICIDADE

NETOCOLOR.jpg

PUBLICIDADE

max fer.png

PUBLICIDADE

union.png
INOX PAR.png

1/4

Você também pode gostar de ler sobre:

Você conhece o Vidro Low-e?

13/01/2020

Ascevi intermédia palestra na I Semana das Engenharias em Palhoça SC para 60 estudantes de Arquitetu...

12/09/2017

Empresas italianas mostram novidades da indústria vidreira durante a Glass South America

08/06/2016

Saiba por que você não pode perder a GLASS SOUTH AMERICA

03/06/2016

USP São Carlos desenvolve vidro que muda de cor e pode camuflar objetos

01/06/2016

Níveis de blindagem automotiva

25/05/2016

Governo sinaliza irregularidade em exportações de vidros automotivos

13/05/2016

Vidro Serigrafado: Instrumento elementar ou primordial?

11/05/2016

1/1
Please reload