© 2019 Todos os Direitos reservados ao Jornal do Vidro. Produzido por Agência GUIAX

1/2

PUBLICIDADE

Abal se posiciona sobre negociações com EUA sobre taxa de aço e alumínio

03/05/2018

 

A Associação Brasileira de Alumínio (Abal) se posicionou a respeito da prorrogação da isenção de tarifas sobre importação de aço e alumínio por parte dos Estados Unidos. Na última segunda-feira (30), o governo dos EUA anunciou que havia adiado a decisão de aplicar tarifas sobre a importação americana de alumínio, pouco antes do prazo final inicialmente estipulado para o fim da isenção das tarifas de 25% para o aço e de 10% para o alumínio. Por esta razão, seguem as negociações entre Brasil e Estados Unidos para se chegar ao melhor acordo para ambos.

 

Até semana passada, o governo norte-americano havia apresentado duas propostas: a sobretaxa de 10% ou a implantação de cotas de exportação calculadas pelo volume médio das vendas realizadas aos EUA de 2015 a 2017 para produtos acabados e semi-acabados. Mas, de acordo com nota divulgada pela Abal, as duas alternativas são ruins para a indústria brasileira: “Na prática, deveríamos escolher a menos pior: uma cota reduzindo em mais de 20% as exportações do Brasil para os EUA ou a aplicação da sobretaxa”, diz o texto.

 

Ainda segundo a Associação, a alternativa de maior impacto negativo é a adoção de cotas. “Em primeiro lugar, as cotas apresentadas são o que chamam de “hard quota”, ou seja, uma vez utilizadas, não será possível exportar mais – e não, por exemplo, pagar a taxa para o volume adicional que ultrapassasse a cota, a chamada “soft quota”. Em segundo lugar, o controle deveria ser feito nos EUA e não temos, até o momento, nenhuma informação sobre quais serão os critérios de aplicação (por produto, total, por importador)”, informou a Abal.

 

Diante desse cenário de incertezas, a Abal prevê grandes dificuldades no planejamento das vendas para os EUA: “A indústria brasileira já está penalizada com o aumento da competição em mercados fora dos Estados Unidos, sem mencionar o fato de ter de contar com o aumento da oferta mundial dentro do Brasil, de todo o material que iria para a América do Norte, especialmente de fornecedores da Ásia”.

 

Os EUA hoje são os maiores consumidores do aço produzido no Brasil, com importação anual de 2,6 bilhões de dólares. O mais recente prazo estipulado pelo país para decidir a questão é 1º de junho. Até lá, o período é de apreensão na indústria metalúrgica brasileira.

 

Please reload

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ECG..png
ECG..png

PUBLICIDADE

METTALLFLECK..png
METTALLFLECK..png

PUBLICIDADE

Sem título-2.png

PUBLICIDADE

BOLT INOX..png
BOLT INOX..png

PUBLICIDADE

KING..png

PUBLICIDADE

NETOCOLOR.jpg

PUBLICIDADE

ANTALUM..png

PUBLICIDADE

union.png

PUBLICIDADE

INOX PAR.png

Você também pode gostar de ler sobre:

Você conhece o Vidro Low-e?

13/01/2020

Ascevi intermédia palestra na I Semana das Engenharias em Palhoça SC para 60 estudantes de Arquitetu...

12/09/2017

Empresas italianas mostram novidades da indústria vidreira durante a Glass South America

08/06/2016

Saiba por que você não pode perder a GLASS SOUTH AMERICA

03/06/2016

USP São Carlos desenvolve vidro que muda de cor e pode camuflar objetos

01/06/2016

Níveis de blindagem automotiva

25/05/2016

Governo sinaliza irregularidade em exportações de vidros automotivos

13/05/2016

Vidro Serigrafado: Instrumento elementar ou primordial?

11/05/2016

1/1
Please reload